Com um currículo repleto de prêmios, Harry Chen saiu do curso de engenharia mecânica da Universidade de Toronto, no Canadá, com uma vaga garantida no grupo Bombardier, a terceira maior produtora de jatos civis do mundo, passando depois pela Microsoft, que dispensa apresentações.

Apaixonado por simetria, matriz binária e por todo tipo de conhecimento relacionado com tecnologia, acabou mergulhando fundo no universo das startups. Participou da criação da Nvest, plataforma que torna o processo de investimento em ações mais acessível. Foi instrutor de programação web, na General Assembly, uma comunidade florescente de profissionais que procuram carreiras que amam. Até fundar a Altcademy, startup que oferece cursos nas áreas de programação e tecnologia.

Com o Lets, ele compartilhou dicas de como levar inovação e resiliência para sua startup ou pr’aquela que você ainda irá fundar!


7 dicas de como ter uma startup resistente

1. Cobre pelo produto a partir do 1º dia! Ao fixar um preço você tem a possibilidade de testar o valor da sua entrega. Portanto, cobre! Não digo fortunas, mas o justo para que você continue trabalhando e para que possa mensurar como os outros valorizam o seu produto.

2. Experimente o máximo que puder! Como fundador de um novo modelo de negócio, seu trabalho é experimentar. Quanto mais rápido você aplicar ideias e avaliar como elas funcionam, mais rápido você poderá tirar o melhor de cada uma delas. Para ser mais claro a orientação aqui não é testar 1.000 empresas diferentes, mas experimentar 1.000 ideias minúsculas para o mesmo negócio.

3. Cuide dos seus clientes! Parece óbvio, mas algumas empresas não conseguem manter uma boa comunicação com seus consumidores. Recebeu um e-mail? Se esforce para responder. Foi notificado sobre algum bug? Procure corrigir e agradeça! Se importar com os clientes é uma vantagem competitiva em relação aos seus concorrentes. Acredite nisso e pratique!

4. Não é técnico? torne-se um! Se você se preocupa com seu produto, se envolva na construção dele. As vantagens competitivas dos produtos das startups está na forma como você melhora e otimiza sua entrega. Seja qual for a atividade ou ramo que você atua, mergulhe profundamente no tema.

5. Capital de risco não é tão determinante quanto você pensa! Há quem acredite que o primeiro objetivo de uma startup é receber financiamento de investidores externos. Mas isso pode ser apenas uma ilusão de inicialização bem sucedida. Quando uma startup é avaliada em U$100 milhões não significa que ela esteja lucrando esse montante por ano. Para ter uma ideia, atualmente, o Twitter está avaliado em US$ 10 bilhões e até agora os investidores não tiveram um retorno de suas operações.

6. Tempo é mais valioso que dinheiro! Como falamos no primeiro tópico, ganhe dinheiro para que seu negócio seja viável e principalmente para que ele não morra. Quando se cria uma startup não tenha como meta bater o jackpot nos próximos 3 anos. Em vez disso, aprenda a construir empresas que vão durar 10, 50 ou 100 anos.

7. Não existe estratégia de saída (pelo menos por enquanto)! Frequentemente os fundadores de startups são questionados sobre suas estratégias de saída. Existem dois tipos de fundadores: os que querem fazer muito dinheiro em um intervalo mais curto possível e os que estão afim de executar um projeto por tempo indeterminado. Aqui fica a pergunta: qual tipo de fundador você é? Mas até chegar o momento que essa resposta faça realmente sentido, trabalhe muito, se esforce para o que processo seja divertido e que sua ideia se aproxima o máximo possível do sucesso que você planejou.